Sem tempo ruim

Crise não engessa as tecnologias trazidas pela Arkema

218
Schmitt: trabalho conjunto com montadoras e transformadores desde a concepção das peças.
Schmitt: trabalho conjunto com montadoras e transformadores desde a concepção das peças. Sinônimo de polímeros nobres, a francesa Arkema não entrega os pontos e cruza os braços diante da economia brasileira no estaleiro. As ações recentes incluem a abertura de filial no Rio de Janeiro, para afiar o assédio sobre setores como óleo e gás, a expansão da sede em São Paulo e o esforço para fincar estacas em outras regiões marcantes pelo desenvolvimento industrial. Para abrir caminho, a subsidiária local da empresa aposta na receptividade a novas formulações, como poliamidas premium, capazes de contornar a recessão acenando com redução de custos de processo e valor agregado aos produtos transformados, expõe nesta entrevista Eric Schmitt, diretor presidente do Grupo Arkema

Conteúdo restrito a assinantes e cadastrados.

Se você já é usuário, faça login.
Novos usuários podem se cadastrar abaixo gratuitamente.

Login de Usuários
   
Registro de Novo Usuário
*Campo obrigatório
COMPARTILHAR
Matéria anteriorNão estamos tão mal na foto
Próxima matériaCaos previsível