Se fosse fácil, não teria graça

Pensar fora do quadrado é apostar em tecnologia de ponta numa hora dessas

Wachter: processo dispensa uso de chiller.
De janeiro a junho, o número de falências requeridas cresceu 8,9% sobre a quantidade aferida na primeira metade de 2015 e, à entrada do semestre atual, mais de um terço das máquinas e instalações industriais de toda a ordem se mantinha parado. Com DNA de vendedor, Edwin Wachter, dirigente da Wachter Kommerz, entrevê nesta conjuntura nublada bom tempo para começar a introdução no país do desumidificador de moldes DMS de sua representada alemã Blue- Air Systems. Afinal, esta é a hora de o transformador cuidar mais da manutenção das máquinas e da compressão dos custos, justo as belezas do DMS que Wachter põe na mesa nesta entrevista. Wachter: processo dispensa uso de chiller. PR – Como dimensiona a economia energética do DMS? Wachter – Desumidificadores de moldes operam por condensação e com peneira molecular, processo tecnológico denominado dessecante. Entre 2014 e este ano, a Blue-Air cotejou o desempenho de seu equipamento, adepto do sistema de condensação sem água, com os de cinco de seus principais concorrentes munidos de peneira molecular. Os ensaios transcorreram em ambiente de produção e englobaram tópicos como potência do ventilador e unidade de refrigeração ou a eletricidade consumida na capacidade de resfriamento. Ao final, constatou-se que o sistema de peneira molecular requeria 43,6 kw; o de condensação com água, 24,6 kw e, por fim, o modelo DSM, apenas 9,1 kW. Cabe destacar nessa performance o microprocessador PWM. O DMS trabalha em closed loop (circuito fechado) e quando o ponto de orvalho chega a 4ºC, o PWM

 

Para continuar lendo cadastre-se gratuitamente.

Conteúdo restrito a assinantes e cadastrados.
Se você já é usuário, faça login.
Novos usuários podem se cadastrar abaixo.

 

Login de Usuários
   
Registro de Novo Usuário
*Campo obrigatório