Ouro líquido

Por que a indústria de água mineral nunca se dá mal

O status de produto de segurança alimentar e de baixo valor têm salvo a água mineral da ira da recessão. Carlos Alberto Lancia, presidente da Associação Brasileira da Indústria de Água Mineral (Abinam) interpreta nesta síntese a opulência dos balanços anuais do setor, não importa quem seja o timoneiro na proa da política econômica. Pela sua lupa, garrafas e copos fecharam 2015 com crescimento na taxa percentual de praxe e o único sinal da crise é notado no recuo de 40% na demanda corporativa de garrafões, efeito atribuído pelo dirigente às levas das demissões no ano passado. A demanda corporativa, situa Lancia, pega 10% do mercado dos garrafões. Para este ano, o presidente dá como líquido (literalmente) e certo a

Conteúdo restrito a assinantes e cadastrados.

Se você já é usuário, faça login.
Novos usuários podem se cadastrar abaixo gratuitamente.

Login de Usuários
   
Registro de Novo Usuário
*Campo obrigatório
COMPARTILHAR
Matéria anteriorAs estrelas do filme
Próxima matériaA morte de uma seção