Rabi: vantagens da resina Maxio H 105 confirmadas na linha de produção da São Bernardo.
O grade de polipropileno (PP) H 105 da Braskem, parte da seleta linha de resinas Maxio, proporcionou ganhos efetivos nas linhas de transformação da São Bernardo, especializada na manufatura de utilidades domésticas (UDs). A utilização do homopolímero resultou em consumo energético 21% menor, baixando em 12% o perfil de temperatura do processo e em 3,5% o ciclo de injeção. Segundo Sergio Rabi e Igor Mendes Axelson, diretor industrial e gerente de produção da transformadora, foram despendidos 20 dias entre testes e aprovação. “Após esse período, já começamos a usar H 105 como padrão para nossos produtos”, ambos afirmam. Para os experimentos foram utilizados diversos modelos elétricos e híbridos de injetoras de ponta, incluindo linhas de classe mundial como BMB, Engel e Demag, cujas forças de fechamento variam de 60 a 850 toneladas. A resina foi testada em moldes com sistema de câmara quente de duas a seis cavidades para ciclos rápidos, gerando artefatos de 13g a 22g em ambiente de sala limpa, expõem Rabi e Axelson. H 105 substituiu a resina RP 340 U. “Com o grade anterior, os índices de temperatura eram elevados e não conseguíamos obter o ciclo esperado no maquinário”, eles comentam. Com a mudança, a São Bernardo diminuiu a temperatura em 30ºC e chegou a baixar alguns ciclos, chegando a 3,3 segundos. Segundo os especialistas da Braskem Andressa Argani Abreu, engenheira de aplicação PP com foco em UDs, e Luciano Spaziani Camargo, líder de segmento PP com foco em varejo, H 105 assegura alta transparência na

 

Para continuar lendo cadastre-se gratuitamente.

Conteúdo restrito a assinantes e cadastrados.
Se você já é usuário, faça login.
Novos usuários podem se cadastrar abaixo.

 

Login de Usuários
   
Registro de Novo Usuário
*Campo obrigatório