A soma que subtrai

Ao entrar em EPS, Videolar-Innova alivia excedente nacional de PS e amplia sua cadeia de estirênicos

Newcell em Triunfo: 25.000 t/a de pérolas a partir de GPPS.
A oportunidade de lucrar com a substituição de importações traça a reta de Lírio Parisotto na cadeia do plástico. Foi o declarado chamariz para seus investimentos em poliestireno (PS), estireno, filmes biorientados de polipropileno (BOPP) e, a partir de agora, em poliestireno expandido (EPS). A nova tacada toma corpo com a fábrica de 25.000 t/a de pérolas do estirênico, inaugurada em 22 de junho pelo empresário no complexo gaúcho da Videolar-Innova, petroquímica e transformadora presidida por ele. “Não sei quando o Brasil sai da crise, mas, quando o fizer, estaremos na ponta dos cascos”, afirmou na ocasião o empresário, quando indagado com insistência pela imprensa sobre a racionalidade de investir R$ 100 milhões em EPS nesses tempos de recessão sem

Conteúdo restrito a assinantes e cadastrados.

Se você já é usuário, faça login.
Novos usuários podem se cadastrar abaixo gratuitamente.

Login de Usuários
   
Registro de Novo Usuário
*Campo obrigatório
COMPARTILHAR
Matéria anteriorOs prazeres da carne
Próxima matériaTempo de brinc@r