Linck: caixa de ABS promete diminuir perdas no transporte de órgãos.
Apesar da precariedade da saúde pública brasileira no plano geral, o país possui o maior sistema para transplantes de órgãos do mundo e o número de procedimentos cresce satisfatoriamente. No ano passado, 7.649 cirurgias do tipo foram realizadas no Brasil, quase 200 a mais do que 7.456 no ano anterior, segundo dados da Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos (ABTO). De olho nessa expansão, a Biotecno, baseada em Santa Rosa (RS), inovou e criou uma caixa refrigerada para transporte de órgãos com a proposta de minimizar perdas no processo logístico. A solução é feita de copolímero de acrilonitrila, butadieno e estireno (ABS) e dispensa a utilização de gelo, explica o fundador da empresa Nerci Linck. O plástico, ele prossegue, ainda propicia a diminuição do peso e aumenta a resistência e durabilidade do produto. “O material também contribui para a aparência da caixa”, ele julga. Enquanto o visual é moderno e sofisticado, o custo é da mesma forma mais atrativo. A empresa investiu R$ 200 mil no projeto, montante aplicado no desenvolvimento de moldes, placas eletrônicas, estudos de mercado e de viabilidade, bem como compra de matéria-prima, componentes eletrônicos e de refrigeração. “O valor também foi usado para pagar honorários dos profissionais envolvidos”, esclarece Linck. Sem revelar o parceiro responsável pela injeção do artefato, o diretor da Biotecno afirma que a caixa é formada por 13 peças plásticas, cujos moldes foram desenvolvidos por uma empresa terceirizada especializada. O produto, ele acrescenta, trabalha com três possíveis fontes de energia, sendo entrada auxiliar

 

Para continuar lendo cadastre-se gratuitamente.

Conteúdo restrito a assinantes e cadastrados.
Se você já é usuário, faça login.
Novos usuários podem se cadastrar abaixo.

 

Login de Usuários
   
Registro de Novo Usuário
*Campo obrigatório
COMPARTILHAR