O combustível da fé não baixa

Fornecedores de plásticos de engenharia aproveitam a calmaria para afiar o atendimento

Se 2015 já foi um purgante, 2016 caminha para a decretação de estado de calamidade pública na jugular da indústria automobilística, o xodó dos plásticos de engenharia. Os horrores se acumulam. O primeiro trimestre foi o pior em 13 anos na produção nacional de veículos, reles 482,3 mil unidades montadas.

Conteúdo restrito a assinantes e cadastrados.

Se você já é usuário, faça login.
Novos usuários podem se cadastrar abaixo.

Login de Usuários
   
Registro de Novo Usuário
*Campo obrigatório

VEJA +