Mintel capta declínio do consumo de refrigerantes

Maior mercado de PET perde cada vez mais terreno para bebidas saudáveis

Justo no momento em que se completa a troca da guarda entre os produtores de PET no país, com a entrada em cena da mexicana Alpek e da tailandesa Indorama à frente das duas unidades vizinhas a orla de Pernambuco,  o campo nº1 do superofertado poliéster balança no percurso do fio da navalha.

Varredura da consultoria  Mintel  mostra que o mercado brasileiro de refrigerantes encolheu 4,6% em volume de vendas em 2017, totalizando 11,5 bilhões de litros, e periga  engolir nova queda entre 5% e 6% ao longo deste ano. Sob o império de PET, as bebidas carbonatadas,  pressupõe a pesquisa, estariam cedendo espaço para opções assimiladas como mais naturais.

Em  levantamento levado a campo em fevereiro último com 1.355 brasileiros, 31% escolheram mais bebidas não alcoólicas no lugar das alcoólicas nos últimos 12 meses. Desse total, 38% disseram estar interessados em bebidas com benefícios advindos de ingredientes naturais; 34% informaram que gostariam de ver mais opções de bebidas sem adoçantes artificiais; 34% gostariam de mais bebidas não alcoólicas com embalagens retornáveis e, para engrossar o enrosco para os refrigerantes,  28% apreciariam dispor de mais opções de bebidas vegetais.

O estudo mostrou que as bebidas não alcoólicas mais consumidas nos últimos 12 meses foram, pela ordem, suco, leite, refrigerante, água natural, bebidas com leite saborizadas, água com gás, energéticos, chá gelado, água saborizada, bebidas esportivas e café gelado. A pesquisa revelou ainda que 30% dos brasileiros estão comprando mais bebidas com ingredientes naturais e 25% consumindo menos bebidas com ingredientes artificiais, caso exemplar dos refrigerantes.

Segundo a Mintel, a indústria tem investido forte no desenvolvimento de embalagens. Do total de lançamentos feitos pelas fabricantes de bebidas no país em 2017, 41% foram de produtos com mudanças na apresentação Outros 29% foram de linhas realmente novas e, quanto aos demais 20%, de variedades inéditas de bebidas.