Jabuticabas de plástico

A estratégia única de bancar uma ideia sem combinar com a realidade

Por ser fruta que só dá por aqui, a jabuticaba teve seu significado estendido para designar qualquer singularidade do Brasil. Nosso setor plástico, por sinal, cultiva desde o século passado um jabuticabal sem fim. Entre as espécies mais frondosas, constam, por exemplo, o estranho hábito de grandes transformadores revenderem resinas no mercado paralelo, ou então, projetos petroquímicos que mudam de rota várias vezes no seu desenrolar, virando enfim uma refinaria de petróleo natimorta. Desde o ano passado, o mercado presencia o amadurecimento de mais uma jabuticaba. Trata-se do lançamento de mais uma feira a se colocar como referência nacional e internacional da indústria brasileira do plástico. Não é caso se de aventar aqui as motivações dos organizadores para o empreendimento,

Conteúdo restrito a assinantes e cadastrados.

Se você já é usuário, faça login.
Novos usuários podem se cadastrar abaixo gratuitamente.

Login de Usuários
   
Registro de Novo Usuário
*Campo obrigatório
COMPARTILHAR
Matéria anteriorO drible da vaca
Próxima matériaEd. 623 – Março 2016