Internet das coisas: sensores chegam às garrafas plásticas

Como a Water.io pretende alargar a gama de funções das tampas

Mal foi levantada, a corrente defensora de que a internet das coisas não deve chegar aos artefatos plásticos de baixo valor agregado, periga ser abatida em pleno voo. Essa disruptura é o recado passado pela startup israelense Water.io ao prever um relacionamento do consumidor com as tampas bem além da abertura e fechamento. Conforme divulgado na mídia por um dos seus fundadores, Yoav Hoshen, a empresa desenvolveu sensores eletrônicos encaixáveis em tampas convencionais, dotando-as de funções diversas, todas no sentido de munir os consumidores de informações sobre o uso e vida útil do conteúdo envasado. Os sensores também podem ser programados para monitorar quantas vezes a garrafa foi aberta, informar ou a quantidade de líquido remanescente no recipiente, ou então, de avisar quando o produto acabou e, assim, exige nova compra. De acordo com Hoshen, a Water.io ainda conecta os sensores aos celulares dos clientes para postar lembretes e recolher subsídios para a indústria final ter uma noção mais precisa de como seu produto está sendo consumido, dados viscerais para nortear as estratégias de vendas.