Efeito dominó

A indústria automobilística depara com vários divisores de suas águas. Com impacto direto sobre os componentes plásticos

O Banco Central orça em US$ 18,7 bilhões o montante repassado nos últimos dois anos pelas matrizes das montadoras de veículos às suas fábricas por aqui. Em meio a uma capacidade instalada que tem operado com alta ociosidade, pelos motivos notórios, o destino primordial dessa dinheirama tem sido o desenvolvimento de produtos e a atualização tecnológica da fabricação e de modelos de carros cada vez mais globais. “A indústria automobilística se caracteriza por planejar investimentos a longo prazo, na média de cinco anos”, situa Ricardo Bacellar, diretor de relacionamento com a indústria automobilística brasileira da consultoria KPMG. “A tecnologia hoje evolui com maior rapidez, exigindo das montadoras um esforço de modernização industrial à margem da recessão atual”, ele pondera. “Além

Conteúdo restrito a assinantes e cadastrados.

Se você já é usuário, faça login.
Novos usuários podem se cadastrar abaixo gratuitamente.

Login de Usuários
   
Registro de Novo Usuário
*Campo obrigatório
COMPARTILHAR
Matéria anteriorCachos de inovações
Próxima matériaEngatando a terceira