China enxuga importações de refugo plástico

Imposição da política National Sword favorece consumo de resina virgem

National Sword (Espada Nacional), política ambiental promulgada no ano passado pelo governo chinês, está quebrando as pernas do comércio internacional de refugo plástico.

No passado, a China chegou a importar anualmente 9 milhões de toneladas, embarques que aboletaram o país pódio global dos compradores de lixo plástico. Mas, tal como a liquidez internacional que manteve a cotação do dólar em zona de conforto nos últimos anos, o jogo virou com o cumprimento à risca das determinações da National Sword para deprimir ao máximo as importações do refugo. Assim, conforme estimativas liberadas na mídia pela China Scrap Plastics Association, o desembarque orçado em 2017 em torno de 6 milhões de toneladas deve minguar para 170.000  toneladas no exercício atual, diferença a ser preenchida pelo uso de resina virgem no país. Na esteira, testa a entidade, uma parcela projetada entre 60% e 70% das recicladoras na ativa na China que dependiam do refugo plástico do exterior saiu de cena.

O percentual restante cabe a empresas que redirecionaram suas plantas recicladoras para outros países, em especial do sudeste asiático, de modo a suprir a China com rejeito plástico  do mercado internacional obtido a salvo dos ditames da National Sword.