Borealis adquire sua terceira recicladora

Petroquímica austríaca aposta em crescimento à sombra da economia circular

Antenadas na combinação de apoio à sustentabilidade e oportunidades de crescimento a jusante da cadeia industrial, petroquímicas europeias têm quebrado o imemorial paradigma no ramo de não se aliar sucata plástica ao negócio por vocação de fornecimento de resina virgem. Entre as companhias que mais têm transposto essa linha divisória, desponta a austríaca Borealis, de nome feito em poliolefinas e que formalizou, em 17 de julho, sua terceira compra de uma recicladora, a conterrânea Ecoplast Kunststoffrecycling GmbH, em transação de montante não revelado. Cerca de dois anos atrás, a petroquímica sediada em Viena incorporou o controle de duas recicladoras alemãs, MTM Plastics GmbH e a filial MTM Compact GmbH, ambas alvo de recente aporte da Borealis totalizando US$ 20.4 milhões. Por seu turno, a Ecoplast exibe capacidade pafra recuperar 35.000 t/a de polietileno advindo de refugo pós consumo e aparas de primeira moagem, proporcionando um reciclado recomendado, em especial, para a extrusão de filmes de baixa espessura.