Titech: ganhos de escala e qualidade na triagem de refugos plásticos com sensores.
Plenamente aclimatada por aqui, a norueguesa Tomra Sorting Recycling singra no fiorde do manejo de resíduos sólidos ao leme do seu sistema de triagem TITECH autosort. Baseado em sensores, ele identifica e separa cada componente de refugo encaminhado para reciclagem, inclusos plásticos, papel, metais, madeira e vidro. “Em três anos de trabalho no Brasil já temos 15 linhas instaladas”, assinala Carina Arita, diretora comercial da subsidiária brasileira da grife escandinava. Embora a separação manual ainda predomine no país, a procura pela triagem automatizada pulsa entre recicladoras em busca de ganhos de escala, qualidade e pureza de materiais, percebe a executiva. Com base nessa equação de custo/ benefício, a tecnologia Tomra vai ao encontro das expectativas instauradas pela Política Nacional de

Conteúdo restrito a assinantes e cadastrados.

Se você já é usuário, faça login.
Novos usuários podem se cadastrar abaixo gratuitamente.

Login de Usuários
   
Registro de Novo Usuário
*Campo obrigatório
COMPARTILHAR
Matéria anteriorPor uma bariátrica cultural
Próxima matériaEconomia polimérica