Secos aposta em sacos de bioplástico para dejetos caninos

Demanda europeia e norte-americana estimula a produção da embalagem

Biosacos-de-cachorroO marketing verde baixa com tudo no pet market, o reduto dos produtos para animais domésticos. Uma  tacada inusitada nessa direção, informa o jornal norte-americano Plastics News, acaba de ser desferida pela australiana Secos Group Ltd., de olho em sua rede de vendas na América do Norte e Europa. Trata-se da difusão de sacos para dejetos caninos produzidos na China a partir de Biohybrid, mix de poliolefinas e plásticos biodegradáveis não divulgados e patenteado pela componedora Cardia. Os sacos são vendidos em containers em forma de osso injetados com Biohybrid. A capacidade instalada na unidade chinesa para fornecer esses sacos hoje roda 250 milhões de unidades anuais e, segundo a  Secos, os mercados europeu e dos EUA mostram-se mais receptivos que a Austrália a pagar por esses sacos mais do que o fariam pelos contratipos convencionais de polietileno de fonte fóssil.