Sai a Bahia e entra o México

A nova estratégia da Ineos para crescer em ABS no Brasil

246
Já refeita do falecido projeto, em joint venture com a Braskem, de produzir copolímero de acrilonitrila butadieno estireno (ABS) na Bahia, a alemã Ineos Styrolution já encaixa o Brasil entre os alvos do desgargalamento de 20.000 toneladas em curso de sua planta da resina no México. “Sua capacidade deve ampliar para a faixa de 160.000 t/a de ABS e copolímero de estireno acrilonitrila (SAN) e este acréscimo entra em produção no ano que vem”, informa Alexander Glück, presidente da Ineos Sturolution America LLC. Após a parceria com a Braskem ter evoluído a ponto de ter recebido a aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) em 2014, a Ineos abriu mão do projeto da capacidade instalada de 100.000 t/a de

Conteúdo restrito a assinantes e cadastrados.

Se você já é usuário, faça login.
Novos usuários podem se cadastrar abaixo gratuitamente.

Login de Usuários
   
Registro de Novo Usuário
*Campo obrigatório
COMPARTILHAR
Matéria anteriorDe frente pro crime
Próxima matériaNão há beco sem saída