Reação nas vendas de eletroeletrônicos

Pesquisa da GFK atesta tendência de recuperação puxada por TVs

eletroeletrônicos

Ancoradouro para polipropileno (PP) em lavadoras, poliestireno (PS) em geladeiras  e plásticos de engenharia em peças técnicas de todas as categorias, o reduto de eletroeletrônicos safou-se com poucas escoriações da instabilidade da demanda na primeira metade do ano, como atesta o pente-fino efetuado pela consultoria GFK. 

Como era de esperar, as vendas de TVs, insufladas pelo evento temático da Copa do Mundo, puxaram o movimento desses bens duráveis aferido pela GFK entre janeiro e maio último. Segundo o levantamento, o mercado de televisores movimentou 42,5 bilhões de reais ante 40 bilhões de reais em 2017, representando um crescimento de 6% sobre o mesmo período. As inovações tecnológicas contribuíram para o incremento nas vendas, que cresceram 35% em faturamento e 27% em volume na comparação entre janeiro e maio deste ano com os mesmos meses de 2017. O tamanho médio dos aparelhos veio crescendo desde o início do ano, ultrapassando a média de 41 polegadas em maio passado. Além da dimensão média dos televisores, a tecnologia de UHD veio ganhando bastante representatividade a cada mês. Na cesta de bens duráveis esquadrinhada pela GFK, incluindo as categorias de telecom, linha branca, linha marrom, informática e eletroportáteis, foi constatada retração de -1% nas vendas, apesar do crescimento de 6% no faturamento e um aumento no preço de 7%.

Nos primeiros cinco meses de 2018 e, ao contrário do ocorrido em 2017, o segmento dos smartphones apresentou queda de 2% em faturamento. Ainda assim, tecnologia continua a ser um dos drivers mais importantes neste reduto, pois aparelhos com tela superior ou igual a 5,5 polegadas e  capacidade de 32gb em diante apresenta um salto de 210% em faturamento no período pesquisado. No cômputo total, os produtos que integram a linha branca tiveram crescimento nos primeiros cinco meses deste ano.

Em relação aos quatro considerados os principais (lavadoras de roupa, fogões, geladeiras e micro-ondas), a GFK notou certa estabilidade ou tímido avanço nas vendas. No âmbito da  lavadora de roupas, constatou-se uma estabilidade nas vendas em comparação com o ano anterior, ainda que isso tenha representado um aumento no faturamento de 7%. Já em fogões, também se enxergou estabilidade em unidades comercializadas e crescimento de 3% na receita.

Em geladeiras, a GFK registrou aumento de 3% em unidades e aproximadamente 13% em faturamento, correspondendo a um terço da receita total da cesta da linha branca.

Para a categoria de eletroportáteis, sustenta a GFK, as vendas de janeiro a maio último subiram 4% em faturamento e em volume versus mesmo período no ano passado. Os produtos integrantes da linha “cozinha/comer” apresentaram crescimento da ordem de 14%, seguidos por produtos para o preparo de bebidas, com 11% de crescimento sobre os mesmos cinco meses em 2017. A categoria de limpeza e cuidados do lar, que contempla, entre outros produtos, ferro de passar e aspirador de pó, teve vendas 6% maiores, em faturamento.

Já para a categoria de cuidados pessoais, a GFK constata a existência de  crescimento residual de 1%, em comparação com o ano de 2017, ao passo que a categoria de climatização e bem-estar  registrou queda de 16% em faturamento.

Por sua vez, na categoria da informática, o total de computadores (notebooks + desktops) apresentou crescimento, em unidades de 8% e, em faturamento, de 10% entre janeiro e maio de 2018 frente aos mesmos cinco meses um ano antes.