Projeto de PP avança na Bolívia

Estatal YPFB opta pelo processo Spheripol para planta ao sul do país

YPFB-BoliviaMenção efêmera no planejamento estratégico da Braskem, bons anos atrás, o projeto de um complexo de poliolefinas via gás natural na Bolívia ganha contornos mais nítidos com os primeiros movimentos em torno de uma planta de polipropileno (PP). Em comunicado à imprensa, Mario Salazer Gonzales,  gerente da área petroquímica da estatal  Yacimientos Petroliferos Fiscales Bolivianos (YPFB), anunciou a escolha o processo Spheripol, da corporação LyondellBasel, para licenciar a unidade da ordem de 250.000 t/a de homopolímero de PP a ser erguida pelo governo Evo Morales em Tarija, localidade ao sul da Bolívia. Conforme assinalou Salazer, a primeira planta de termoplásticos da Bolívia, fazendo fronteira ao sul  com a Argentina e a oeste com o Paraguai, tem partida agendada para 2021. Hoje sediada no Texas, em Houston, a LyondellBasell ostenta mais de 250 licenciamentos do processo Spheripol, considerado pela empresa o mais utilizado na produção de PP no planeta. No Brasil, por sinal, todas as plantas de PP da Braskem em Triunfo (RS) rodam com tecnologia Spheripol.

COMPARTILHAR
Matéria anteriorRáfia emplaca em cimento no Paquistão
Próxima matériaDois em um