PA 6.6: escassez global sem término a curto prazo

Insuficiência é agravada pela declaração de força maior da produtora norte-americana Ascend

Iniciada em 2018, a oferta insuficiente que tem catapultado à lua os preços internacionais de poliamida (PA) 6.6 promete não dar trégua tão cedo. A gravidade das perspectivas é ilustrada pela declaração de força maior para o intermediário hexametilenodiamina (HMD), derivado da altamente escassa adipopinitrila, oficializada no início de janeiro pela norte-americana Ascend Performance Materials, à frente de seis plantas nos EUA e Europa  e considerada a maior produtora mundial integrada de PA 6.6. Os atrasos na produção insatisfatória de HMD arrematam as declarações de força maior já divulgadas pela empresa para todos os seus polímeros e compostos. Quentin  de Carvalho, analista da consultoria Houston’s Wood Mackenzie, considera o anúncio da Ascend a 11ª declaração de força maior no segmento mundial de PA 6.6 registrada nos últimos 12 meses, noticia o jornal norte americano Plastics News. A Ascend, por sinal, divulgou em outubro passado a meta de ampliar em torno de 41.000 toneladas a sua capacidade de adiponitrila em Decaur no estado de Alabama, até dezembro próximo,completada por uma expansão aproximada de 180.000 toneladas do intermediário, esperada pela  empresa para dispor em linha em 2022.

COMPARTILHAR