28 anos de bagagem em petroquímica dão lastro de sobra para Cleantho de Paiva Leite Filho tirar de letra a missão de abrir caminho para uma indústria zero bala no exterior. Uma conveniência, no caso, é que o país chama-se México, cujas afinidades com o Brasil decerto colaboram para Leite mandar ver como um dos mentores da entrada em cena no mercado local, agendada para o final de 2015, dos grades de polietileno de baixa (PEBD) e alta (PEAD) densidades gerados pelo complexo de 1.050 milhão de t/a do polímero a cargo da Braskem Idesa SAPI. No organograma dessa joint venture, Leite sobressai como diretor de desenvolvimento de negócios e relações institucionais. Na entrevista a seguir, ele disseca a indústria

Conteúdo restrito a assinantes e cadastrados.

Se você já é usuário, faça login.
Novos usuários podem se cadastrar abaixo gratuitamente.

Login de Usuários
   
Registro de Novo Usuário
*Campo obrigatório
COMPARTILHAR
Matéria anteriorCancún do polietileno
Próxima matériaOtimismo servido na chapa