Neo Plastics lança aditivo benéfico para o meio ambiente

Auxiliar acena com decomposição em anos da embalagem pós-consumo no lixão

Um pote de queijo burrata, assinado pelo laticínio Maplebrook Farms, figura entre as aparições de estreia de um aditivo com auréola verde. Intitulado Neo Plastics e desenvolvido pela componedora homônima, trata-se de um composto orgânico que, uma vez acrescido ao masterbatch, provoca a decomposição de uma embalagem descartada em condições anaeróbicas (a exemplo do ambiente dos lixões) em questão de anos, em lugar dos séculos exigidos pelas resinas tradicionais para essa deterioração se consumar. Conforme foi noticiado, o material foi contemplado com o aval da Maplebrook para seus potes injetados de polipropileno.

Mark Tierney, diretor da Neo Plastics, rechaça o rótulo de solução oxibiodegradável para seu auxiliar. A tecnologia oxibio, ele assinala, rompe a cadeia molecular polimérica gerando micro pérolas de plástico que não atraem micróbios para ingerí-las, permanecendo assim no meio ambiente. Por seu turno, segue Tierney, o aditivo Neo Plastics presente no refugo da embalagem é digerido e expelido pelos micróbios em forma de gás metano. Nos EUA, ele explica, o metano é coletado em cerca de 300 aterros e encaminhado para a limpeza e conversão em energia sustentável, argumenta o executivo. Desse modo, ele amarra as pontas, o novo aditivo proporciona geração de metano através de plástico num prazo visto como razoável e com efeitos ambientais benéficos.

Na esfera dos custos dos potes aditivados da Midelbrook Farm, Tierney pondera que os gastos são condicionados pelos volumes das embalagens, mas, no plano geral, o recipiente injetado de PP incorporando o auxiliar Neo Plastics custa em torno de 10% a 15% acima do mesmo recipiente desprovido do aditivo.

COMPARTILHAR