Commodity, no sentido de convencional e pouco rentável, virou palavrão em qualquer indústria. A possibilidade de levar alguém a sair da pasmaceira e fazer a diferença no reduto da injeção, o mais concorrido na transformação de plástico, instigou Luiz Antonio Oliveira a dar vazão ao engenho e arte fundando em abril passado a empresa baiana Inovin. Desde então, o economista e inventor já soma 32 processos de requisição de registros de desenvolvimentos no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (Inpi) e uma clientela de suas mais de 60 patentes puxada por âncoras que vão da Rede Globo, Odebrecht e Coca-Cola até TAM, Ambev e Pão de Açúcar. O turborreator de ideias de Oliveira funciona em galpão em Lauro de Freitas, na

Conteúdo restrito a assinantes e cadastrados.

Se você já é usuário, faça login.
Novos usuários podem se cadastrar abaixo gratuitamente.

Login de Usuários
   
Registro de Novo Usuário
*Campo obrigatório
COMPARTILHAR
Matéria anteriorOtimismo servido na chapa
Próxima matériaA perna que faltava