Mercado estável para especialidades na Argentina

Em cinco anos o consumo de fenólicas e resinas de poliéster pouco muda

463

argentina3O mercado argentino de determinadas especialidades plásticas marca passo há, pelo menos, cinco anos, deixa claro o mais recente balanço do consumo aparente de materiais da Cámara Argentina de la Industria Plastica (CAIP). Entre os exemplos, sobressaem as resinas fenólicas e de poliéster (exclusive PET grau garrafa). Quanto às primeiras, sua produção local cravou 3.000 toneladas em 2014, mesmíssimo patamar registrado cinco anos antes. As importações, por seu turno, forma fixadas em 4.128 toneladas no ano passado contra 4.444 em 2010 e, no front das vendas externas, a Argentina embarcou 6.921 toneladas de resinas fenólicas em 2014 versus 5.932 cinco anos atrás. Na esfera das resinas de poliéster, a produção no país foi estimada pela Caip em 6.780 toneladas no ano passado , de leve aquém das 8.750 em 2010. As importações,por seu turno, foram calculadas em 9.677 toneladas em 2014 contra 9.420 em 2010 e apenas as exportações acusaram saída da estabilidade no pano de fundo: caíram de 10.029 toneladas em 2010 para 7.475 em 2014.

COMPARTILHAR
Matéria anteriorEd. 616 – Julho2015
Próxima matériaSteer desembarca no Brasil