Incógnitas no ar

Pendências e indefinições em suspenso na petroquímica

Fátima Giovanna: exportações brasileiras de PE enfrentarão dificuldades. No nada memorável 2016, o consumo aparente (produção + importação – exportação) de resinas commodities retrocedeu -2,8%perante o também nefasto 2015 na varredura com lupa da Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim). O último saldo fechou em 5.758.910 toneladas contra 5.824.103 dois anos atrás. O recuo só não se agravou devido ao mega salto de 31,7% no volume das exportações, percentual equivalente a 1.923.371 toneladas em 2016. Nos bastidores desses indicadores, pulsam variáveis internas e externa, desde a geopolítica e rotas de matérias-primas a regulamentações, custos e preços, que hoje embaçam as perspectivas para a petroquímica no Brasil. Nesta entrevista, Fátima Giovanna Coviello Ferreira, diretora de Economia e Estatística da Abiquim e

Conteúdo restrito a assinantes e cadastrados.

Se você já é usuário, faça login.
Novos usuários podem se cadastrar abaixo gratuitamente.

Login de Usuários
   
Registro de Novo Usuário
*Campo obrigatório
COMPARTILHAR
Matéria anteriorFilme paradão
Próxima matériaCompostos cortados sob medida