A intensa valorização do dólar ante o real tende a melhorar as exportações de transformados plásticos e conter a entrada de importados. Contudo, devido ao expressivo aumento de custos que atinge o setor este ano, o efeito positivo do novo patamar do câmbio será limitado. Energia elétrica, por exemplo, salta de questão secundária no passado recente ao topo da lista negra dos algozes do setor, na garupa de altas fortíssimas na tarifa, constata na entrevista a seguir, José Ricardo Roriz Coelho, presidente da Associação Brasileira da Indústria do Plástico (Abiplast). Para complicar, ele evidencia, o fog na serra do mercado piorou com o noticiário das intenções da Petrobras, justo o pivô do último rearranjo na segunda geração do plástico, de

Conteúdo restrito a assinantes e cadastrados.

Se você já é usuário, faça login.
Novos usuários podem se cadastrar abaixo gratuitamente.

Login de Usuários
   
Registro de Novo Usuário
*Campo obrigatório
COMPARTILHAR
Matéria anteriorCaçadores do olhar
Próxima matériaVai passar