Sintegra: operadores submetidos a reciclagem anual de conhecimentos.
O mercado médico-hospitalar nunca passou de um cisco no mapa da transformação brasileira de resinas, efeito de suas baixas escala de produção e de uma saúde pública cuja penúria afugenta os fornecedores. Apesar desses pesos na balança, a Máquinas Agrícolas Jacto nadou contra a corrente e embarcou nas chamadas ciências cirúrgicas, estendendo assim sua presença no plástico para além dos limites de sua controlada Unipac, craque titular na injeção, sopro, rotomoldagem, extrusão de chapas e termoformagem de peças de grande porte. Em oito anos de ativa, a controlada Sintegra, alojada no complexo sede da Jacto em Pompéia (SP), encheu sua parede de troféus, a exemplo de ter sido a primeira produtora nacional de implantes bioabsorvíveis, e continua a dar um

Conteúdo restrito a assinantes e cadastrados.

Se você já é usuário, faça login.
Novos usuários podem se cadastrar abaixo gratuitamente.

Login de Usuários
   
Registro de Novo Usuário
*Campo obrigatório
COMPARTILHAR
Matéria anteriorImpressões digitais
Próxima matériaO saldo das mudanças