Com cerca de um ano de atraso em relação ao cronograma original, a PetroquímicaSuape colocou, no início de agosto, meio corpo para dentro do octógono de PET grau garrafa no Brasil. Fez isso ao partir a primeira das duas linhas de 225.000 t/a que perfazem sua capacidade instalada do poliéster para embalagens em Pernambuco. O significado dessa entrada em campo vai bem além do raio de ação industrial, pois ela traz à tona um papel que a Petrobras, na condição de controladora da empresa, rarissimamente desempenhou: o de única acionista e operadora de uma fábrica de termoplástico. Ademais, transparece da unidade um comportamento de sinais contrapostos da estatal perante a segunda geração petroquímica. De um lado, ela deixa claro querer

Conteúdo restrito a assinantes e cadastrados.

Se você já é usuário, faça login.
Novos usuários podem se cadastrar abaixo gratuitamente.

Login de Usuários
   
Registro de Novo Usuário
*Campo obrigatório
COMPARTILHAR
Matéria anteriorPara lustrar as expectativas
Próxima matériaNo pré-sal do astral