Embalagens inteligentes: uma revolução a caminho do Brasil

Experts do CETEA e Braskem explicam essa tecnologia de vanguarda e seu impacto no setor plástico no 7º Seminário de Competitividade

323

Ainda no primeiro estágio no mundo desenvolvido e montadas na sela da economia circular, as embalagens inteligentes, aliando os plásticos a especialidades químicas e cyber ferramentas, reluzem virtudes como a redução no uso de matéria-prima, diminuição de descarte de sobras de alimentos e sucata plástica no meio ambiente. Mas sua importância vai muito além da auréola verde da sustentabilidade, pois, como indicam seus desenvolvimentos iniciais, as embalagens inteligentes serão catalisadores de uma revolução em todas as facetas do negócio de alimentos, desde a industrialização, ao marketing, logística e estocagem até os hábitos de compra por tornarem os consumidores bem mais seletivos. A caminho do Brasil, a revolução das embalagens inteligentes, será destrinchada em primeira mão para o nosso setor plástico por duas sumidades na área – as pesquisadoras Claire Sarantópoulos, do Ital/Cetea, e Márcia Pires, da Braskem- em palestras e debate no 7º Seminário de Competitividade, a ser realizado por Plásticos em Revista e a Abiplast em 14 de setembro em São Paulo.

Para inscrições e maiores informações sobre o 7º Seminário de Competitividade: