Ed. 633 – Fevereiro 2017

Veja o PDF da edição Vinho de outra pipa A informação diferenciada tem um valor que as mídias sociais não podem desconsiderar A última trincheira continua de pé Cartucho resiste ao rolo compressor do plástico em creme dental MEG para PET Uma pergunta para Camila Faustini Andrade, Gerente Comercial EO e Glicóis da Oxiteno Aquarela inteligente Colorfix muda mercado de masters com aplicativo inédito no Brasil Deu curto circuito Falta de energia na demanda baixa voltagem do consumo de resinas em lavadoras e geladeiras Lucro extraído com garra Robô vira gênero de primeira necessidade para o transformador É hora da espera ativa Feiplastic prova que crise não é pretexto para a indústria segurar investimentos que farão a diferença na retomada Pororoca vermelha Retração em bens duráveis arrasta transformadores de Manaus Quem não planta não colhe Com a crise, muitos jovens não conseguem trabalho em indústrias porque elas exigem experiência dos candidatos. Ao ingressar no seu primeiro emprego em transformadoras de plástico, a nova geração vê nele, a princípio, uma forma de ter seu ganha pão, mas sem a expectativa de formar uma carreira dentro da empresa. Seu objetivo é ganhar […] Eles estão em outra PR – Diante da aversão crescente da nova geração quanto a trabalhar na área industrial em geral, como encara o futuro da empresa familiar no setor plástico no Brasil?  Wilson Cataldi, sócio executivo da distribuidora Piramidal Cataldi – Eu entrei no setor aos 19 anos, em 1980, como funcionário da recuperadora Plásticos Birigui. Aos 22,

 

Para continuar lendo cadastre-se gratuitamente.

Conteúdo restrito a assinantes e cadastrados.
Se você já é usuário, faça login.
Novos usuários podem se cadastrar abaixo.

 

Login de Usuários
   
Registro de Novo Usuário
*Campo obrigatório