Desse engarrafamento todo mundo gosta

Por que a Algar Agro agora produz os frascos do seu óleo de soja

Óleo de soja: pré-forma mais leve do mundo.
Valente: economia com apelo sustentável. Depois de nove anos servido por embalagens de terceiros, o Grupo Algar, um conglomerado de peso em áreas como o agronegócio, trilou o apito final. O grito de independência veio na roupagem de R$ 40 milhões aplicados na verticalização da empresa em garrafas de PET para seu óleo de soja. “O empreendimento foi aprovado por zerar a dependência do desenvolvimento de supridores, por reduzir em perto de 58% o nosso custo de embalagens e por gerar ganhos com logística, estocagem e transferências entre as fábricas, com otimização de impostos”, justifica Edney Valente Lima Filho, coordenador de projetos estratégicos do Algar. Também pesou na balança uma reverência ao desenvolvimento sustentável. “Após dois anos de desenvolvimento com a canadense Husky, a fornecedora das injetoras, e a Sidel, fabricante francesa das sopradoras, chegamos a um desenho de pré-forma para uma garrafa 4 gramas mais leve que a verão anterior, revertendo em 25% a menos de emissão de resíduos sólidos”, calcula o executivo. Óleo de soja:pré-forma mais leve do mundo. Pelo esquema precedente, já desativado, o Algar adotava a modalidade do sopro in-house, próximo da linha de envase. “O transformador contratado remetia do Rio e Recife as pré-formas para duas máquinas, cada uma com capacidade da ordem de 24.000 garrafas/h, alojadas nas plantas do grupo em Uberlândia (MG) e Porto Franco (MA)”, descreve Valente. Com a verticalização, as duas injetoras adquiridas da Husky rodam na unidade mineira. “A Algar Agro é líder em participação do mercado (cerca de 28%)

 

Para continuar lendo cadastre-se gratuitamente.

Conteúdo restrito a assinantes e cadastrados.
Se você já é usuário, faça login.
Novos usuários podem se cadastrar abaixo.

 

Login de Usuários
   
Registro de Novo Usuário
*Campo obrigatório
COMPARTILHAR