Chega de saudade

A indústria começa a se livrar de várias viseiras

Deu no jornal. O botequim carioca Chega de Saudade requereu auto falência. A imagem pede transposição para muitos hábitos e costumes enraizados na indústria brasileira. Por exemplo, chega de o setor evocar saudade de suas taxas de crescimento na década de 1980. O mundo então era pré-internet e o fechamento da economia brasileira transcorria sem as pressões de competitividade global que hoje ditam as regras do jogo do mercado. O fiasco da falecida “nova matriz econômica”, responsável nesses 13 anos pela bolha de consumo, economia em voos de galinha e pela ruína agora das contas públicas, também decreta que chega de saudade daquelas idas do empresariado a Brasília à caça de favores. Desde tempos imemoriais, a prática de esquentar cadeira

Conteúdo restrito a assinantes e cadastrados.

Se você já é usuário, faça login.
Novos usuários podem se cadastrar abaixo gratuitamente.

Login de Usuários
   
Registro de Novo Usuário
*Campo obrigatório
COMPARTILHAR
Matéria anteriorContra as cordas
Próxima matériaEd. 618 – Setembro 2015