Cempre aponta crescimento da coleta seletiva

Aumento de 138% em seis anos de vigência da Política Nacional de Resíduos Sólidos

357

coletaDesde a aprovação da Política Nacional de Resíduos Sólidos, em 2010, subiu em 138% o efetivo de cidades que embarcaram em programas de coletiva seletiva, constata a pesquisa bienal Ciclosoft 2016, respaldada pelo Compromisso Empresarial para Reciclagem (CEMPRE). Apesar do salto de três dígitos, a velocidade de adesão de municípios ainda é vista como abaixo do pique desejável. O estudo aponta que Sul e Sudeste mobilizam 81% das atividades de coleta seletiva. Do total de municípios dotados do serviço, uma fatia de 8% está no Centro-Oeste, 10% no Nordeste e apenas 1% na região norte. No total, estima-se que apenas 31 milhões (equivalente a 15%) de habitantes usufruem os programas de coleta seletiva. A pesquisa também revelou que uma parcela de 54% dos municípios ainda realiza a coleta seletiva por meio de pontos de entrega voluntária e cooperativas, enquanto  uma fração de 51% do serviço é feita pelas prefeituras dos locais pesquisados. Com relação aos materiais recicláveis mais coletados, o pente fino do Cempre mostra que papel e papelão continuam os mais coletados em peso, representando 34% da coleta, seguidos de plástico com 11% e vidro com 6%.