BOPP: porto seguro em pães industrializados

Consumo do alimento marca pela estabilidade em 2018

Em meio à hemorragia de balanços deficitários na manufatura em geral, uma lufada de ar fresco emana de um reduto pouco alardeado das embalagens de filmes biorietados de polipropileno (BOPP): o segmento de pães industrializados.

Ao longo de 2018, as vendas do alimento atingiram R$ 5,216 bilhões contra R$5,134 um ano antes, aponta levantamento encomendado pela Associação Brasileira da Indústria de Biscoitos, Massas Alimentícias e Pães & Bolos Industrializados (Abimapi).

Em volume, segue o estudo, o saldo de 2018 acusa linearidade nos resultados de 2018 versus 2017, com leve declínio de 0,7% evidenciado em vendas acima de 400.000 toneladas.

O movimento de pães de forma foi considerado estável pela Abimapi, em contraste com o recuo da ordem de 5% constatado no nicho de bisnagas, seguido por hot dog e hambúrguer.

Na selfie atual, o Brasil registra consumo per capita de 1,92 kg de pães industrializados e uma prova do potencial de crescimento das vendas está na penetração de 79,8% do alimento, delimita a pesquisa anual da Abimapi.

COMPARTILHAR