Aumenta o descarte de resíduos sólidos urbanos

Estudo aponta crescimento da quantidade do refugo à margem da crise

aterroA nova edição do estudo Panorama de Resíduos Sólidos no Brasil, compilado pela  Associação Brasileira das Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe), não há cordão umbilical entre a recessão e o fluxo de descarte pela população. Sob PIB negativo em 2015 total de resíduos sólidos urbanos saltou 1,7% no ano passado, para 79,9 milhões de toneladas, aferiu a pesquisa de campo anual. Também foi constatado que um contingente de 76,5 milhões de pessoas  ainda sofrem com destinação incorreta de lixo num país onde 30 milhões de toneladas foram depositadas em lixões em aterros controlados, estes também desprovidos da infraestrutura necessária contra danos ambientais e degradações. Ainda segundo a varredura da Abrelpe, cerca de 70% dos perto de 5.000 municípios do Brasil registraram atividades de coleta seletiva em 2015  contra 64,8% um ano antes.