As mãos longe da graxa

A falta de mão de obra jovem qualificada para o setor plástico vem aumentando. O desinteresse está se intensificando pelos efeitos da recessão junto com o modelo engessado de gestão adotado pelas indústrias em geral, deixando-as atrás de outras alternativas, como os setores de serviços e de pesquisa e desenvolvimento na preferência da nova geração. O número escasso de vestibulandos para os cursos de Química, Engenharia Mecânica e de Materiais é um sinal da queda no interesse desta geração pelo trabalho em manufatura e nas linhas de produção. O elevado investimento para ingressar nesses cursos e as difíceis cadeiras que o educando depara no ensino superior pesam para agravar o desinteresse e contribuem para o aumento do número de desistências

Conteúdo restrito a assinantes e cadastrados.

Se você já é usuário, faça login.
Novos usuários podem se cadastrar abaixo gratuitamente.

Login de Usuários
   
Registro de Novo Usuário
*Campo obrigatório
COMPARTILHAR
Matéria anteriorCírculo virtuoso
Próxima matériaMãos à obra