A volta do acionista pródigo

Uma pergunta para Lirio Parisotto, presidente da Videolar-Innova, produtora de PS convencional e expandido, compostos de ABS, tampas e BOPP

Lírio Parisotto
Lírio Parisotto
Lírio Parisotto PR – Por que voltou, depois de bom tempo, a comprar ações da Braskem a ponto de hoje deter 1% do controle societário da empresa e ter indicado um membro do conselho fiscal? Expectativa de alta nas resinas do grupo ou é uma aposta na futura venda da empresa? Parisotto – Já tive, alguns anos atrás, uma posição relevante na Braskem, também da ordem de 1%. Eu a vendi por que não me agradava sua gestão e postura arrogante e tinha coisa melhor para comprar no mercado. Com o apoio de outros fundos estrangeiros formamos agora uma posição que nos permitiu indicar Marcos Rosset, ex presidente da Paramount Pictures e da Walt Disney no Brasil, para o conselho fiscal da empresa. Nosso objetivo é ajudar e este profissional tem muita experiência com governança corporativa e compliance, pode ser muito útil à Braskem. De outro ponto de vista, considero que a companhia mudou muito desde então, dobrou de tamanho investindo no exterior e perdeu bastante o ranço monopolista. Começou a nos tratar como clientes, o que é um grande avanço. Está com um excelente corpo diretivo, que é o que faz a diferença. Mas atenção: a Videolar-Innova é cliente de petroquímicos básicos e polipropileno da Braskem, mas minha posição acionária não visa qualquer tipo de favorecimento em transações de matéria-prima.Tal interpretação não procede. Nunca pediria por isto; seria uma afronta aos meus princípios. Sou conhecido no mercado por lutar pela governança corporativa. Gostamos de ser tratados como cliente, avaliar

 

Para continuar lendo cadastre-se gratuitamente.

Conteúdo restrito a assinantes e cadastrados.
Se você já é usuário, faça login.
Novos usuários podem se cadastrar abaixo.

 

Login de Usuários
   
Registro de Novo Usuário
*Campo obrigatório