A sorte está lançada

Aumento na oferta interna torna o cenário mais desafiador para PET

Os orixás vão ter de orar dobrado para atrair bons fluidos para PET em 2016. Após amargar em 2014 o primeiro recuo no consumo brasileiro desde os idos de 2000, o poliéster já sente na nuca o bafo de declínio pior pela frente. Pois além da dupla tridente & enxofre -recessão & inflação-, não sair do palco, será o primeiro exercício da Petroquímica Suape (PQS) em todo o seu esplendor. Até então, ela rodava apenas com um de seus dois trens de 225.000 t/a de PET. Sem foguetório e trombetas, a última parcela partiu em novembro, atesta Fernanda de Souza Belli, da área de Coordenação de Inteligência de Mercado e Marketing da estatal. Resumo da ópera: a capacidade nominal do

Conteúdo restrito a assinantes e cadastrados.

Se você já é usuário, faça login.
Novos usuários podem se cadastrar abaixo gratuitamente.

Login de Usuários
   
Registro de Novo Usuário
*Campo obrigatório