A química que rola com o campo

Cai o consumo de agrotóxicos e sobram produtores de suas embalagens. Mas o porte do mercado fala mais alto, julga a Ipackchem

Um cisco perturba, mas jamais tira o brilho do olhar. Transponha esse preceito para o agronegócio brasileiro e entenda por que, em plena estiagem da economia, a francesa Ipackchem começa a soprar embalagens de defensivos em fábrica zero bala em Paulínia, no interior paulista, aporte orçado em R$ 40 milhões.

Conteúdo restrito a assinantes e cadastrados.

Se você já é usuário, faça login.
Novos usuários podem se cadastrar abaixo gratuitamente.

Login de Usuários
   
Registro de Novo Usuário
*Campo obrigatório

VEJA +