A grama do vizinho

Para cada entrave do Brasil, o Paraguai tem um atrativo

Maia e Otsuzi: governo receptivo ao investidor industrial.
“O Paraguai tem fortes fundamentos econômicos, endividamento baixo, razoáveis reservas e pequenos desequilíbrios fiscal e externo”, diagnosticou o Fundo Monetário Internacional (FMI). “O principal desafio é impulsionar o desenvolvimento econômico e social”. A análise do FMI foi trombeteada em 2014, mas continua irretocável. Com base nela e na reprovação dada em janeiro pelo mesmo FMI ao Brasil na deriva, o vizinho Paraguai desponta aos olhos das empresas brasileiras de manufatura, inclusas transformadoras de plásticos, como um lugar onde, além de serem recebidas de braços abertos e ganharem acesso privilegiado aos mercados mundiais, podem trabalhar em paz sem bafo de governo na nuca. Nesta entrevista, Rodrigo Maia e Fernando Otsuzi, porta-vozes da trading Sainte Marie, mostram como é bem mais verde

Conteúdo restrito a assinantes e cadastrados.

Se você já é usuário, faça login.
Novos usuários podem se cadastrar abaixo gratuitamente.

Login de Usuários
   
Registro de Novo Usuário
*Campo obrigatório
COMPARTILHAR
Matéria anteriorA lanterna apagou
Próxima matériaBons fluidos