8º Seminário Competitividade: impacto da impressão 3D na transformação

Klaus Gargitter desvenda os mercados mais atraentes para a manufatura aditiva profissional

Klaus Gargitter, CEO da Monster
Klaus Gargitter, CEO da Monster

Além de deflagrar uma corrida mundial de petroquímicas em busca de oportunidades de negócios, seja no desenvolvimento de materiais ou de aplicações, o advento da impressão 3D profissional promete reconfigurar um punhado de frentes na transformação de plásticos, por ora assentadas em redutos de baixa tiragem e/ou de produção mais morosa.

É esta a pista de decolagem da palestra de Klaus Gargitter, CEO da Monster, fabricante nacional de filamentos plásticos para impressão e desbravador de mercados para a manufatura aditiva, no 8º Seminário Competitividade, organizado por Plásticos em Revista e a Abiplast e agendado para 18 de setembro em São Paulo.

Entre os chamarizes dessa apresentação para os transformadores, constam estimativas do investimento básico em 3D (máquina e estrutura operacional), o trabalho de qualificação de pessoal, disponibilidade de materiais no país e critérios chave para a seleção de aplicações. Segmentos da transformação mais vulneráveis ao avanço da manufatura aditiva, a exemplo de determinados campos da injeção e usinagem.

Para engrossar o caldo, Gargitter vai desvendar cases Monster ilustrativos do avanço da impressão 3D no país, além de apontar tendências internacionais no desenvolvimento de compósitos nobres e de destacar os esforços hoje empreendidos por fabricantes dos equipamentos rumo ao aumento das tiragens e da qualidade dos artefatos impressos para uso profissional.

Inscrições e maiores informações sobre o 8º Seminário Competitividade:

COMPARTILHAR